RESILIÊNCIA EMPRESARIAL SOB O COVID19


Pode sobreviver uma empresa que produz serviços ou produtos que ninguém pode comprar por falta de dinheiro?

Claro que não!

Simplesmente você tem uma empresa que existirá por um tempo e que uma ação imediata deve ser tomada para recuperar esse mercado.

E agora a pergunta sobre a vida.  A quem devemos salvar primeiro?  Às pessoas ou às empresas?  Ou seja, salvamos a vida ou à economia?

Salvar às pessoas é confinamento total e salvar às empresas é confinamento seletivo.  Mas a qual salvamos primeiro?

Você poderia dizer que salvar imediatamente às pessoas é mais importante porque mais tarde é possível reconstruir as empresas.  Isso é válido para empresários com reservas. E os empresários pequenos e médios que não tem reservas de caixa?  No momento que acabe o caixa porque a empresa não está faturando, os empregados não receberam seus salários e ambos, a empresa com seus empregados irão para o espaço.

Voltamos de novo.  A quem salvamos primeiro?  À vida ou à economia?

Independentemente de qual seja a estratégia correta, nós estamos acreditando que se começamos com as empresas e com confinamento parcial para a população, poderemos chegar a feliz término salvando ambos.

Lembra-me da mãe com seu filho em um avião que liberou as máscaras de oxigênio por ter uma descompressão. Ela deve decidir a quem colocar primeiro o subministro de oxigênio.  Claro que primeiro ela, porque se perder a conciência o filhinho não se salvará.  Se fosse primeiro a ele, pode ser que a mãe perca o controle comprometendo o futuro do filho. Mesmo que este exemplo de “vida-vida” (mãe-filho) não deveríamos compara-lo com “coisa-vida” (empresa-pessoas), porém a ideia é dizer que salvando o primeiro teremos uma alta possibilidade de salvar o segundo.

Agora vamos para o que realmente interessa, porém antes vamos explicar a palavra "resiliência" encontrada no título deste artigo. Resiliência se refere à propriedade física dos metais de absorver muita energia sem quebrar. O ouro pode ser esticado kms sem quebrar o fio. Portanto o título significa "a empresa esticando sem quebrar sob o impacto do Covid-19". Essa é a ideia.

Sabemos por artigos lidos neste portal que a coisa mais importante do mundo dos negócios era aumentar o Fluxo de Caixa (FC).  Neste momento com o Covid-19 se passeando pelo planeta as expectativas mudaram.  Agora a coisa mais importante é ter um FC.  Já não aumentar.  É ter mesmo.  Se você tem um FC, sua empresa vive.  Se não tem um FC, ela morre! 
Comentado no item # 8 do artigo "Progresso ou Recuperação, o começo" que se encontra no menu deste portal.

O que importa aqui é você ter uma receita.  Sem ela é impossível se produzir um FC.  E sem um FC você está em perigo. Maná não cairá do céu porque isso aconteceu uma vez há milhares de anos e a probabilidade de acontecer de novo é quase nula.

Até agora a maioria das empresas de consultoria recomendam o que fazer, como por exemplo, adquirir novas tecnologias, contatar clientes, fornecedores, governo, e advogados para planejar com eles as novas relações e estratégias que aparecerão pela epidemia. Porém o que importa é como fazer acontecer a aparição de FC.

Nós encontramos uma solução que já começamos a colocar em prática gratuitamente para as empresas que solicitarem o serviço.  Nestes momentos temos duas empresas que estão sendo atendidas e esperamos que os resultados da completa recuperação sejam antes dos 6 meses.


Antes falávamos que existem dois grupos de empresas. As que estão bem e as que estão mal. Agora com a presencia do Covid-19 podemos afirmar que uma grande parte das que estão bem podem passar para o segundo grupo.

Podem nos contatar nos telefones (11) 5524.7141 e +55 11 97377.2912 ou [email protected]

Voltar à Home Page

FYI

Esta parte não é necessária ler, só para sua informação caso se interesse em aprofundar sobre o tema.  Passamos agora a lhe informar sobre nossa empresa, algo da sua história e desta nova tecnologia.

Somos uma empresa de consultoria na área de Finanças Corporativas. A técnica de nosso trabalho é simples e baseia-se no aumento do Fluxo de Caixa (FC) de qualquer empresa, sem importar tamanho, tipo de produto ou mercado, ou da influência do governo, e sem conhecer obviamente o know-how da empresa cujo domínio é inteiramente do dono.

As evidências são prometedoras. Em 2 anos recuperamos 11 empresas das 12 que solicitaram nossa ajuda por estar elas caminho da falência. Cinco de seus empresários ou proprietários confirmariam nossos resultados de forma clara. Fomos autorizados por eles para mencionar seus nomes. Após confirmar estes resultados iniciais, o senhor poderá julgar melhor a nossa proposta de serviços de melhorar ou recuperar empresas aumentando seu FC.

Falamos de melhorar ou recuperar porque para nós basicamente existem 2 tipos de empresas.  As que estão bem (estáveis ou crescentes) e as que estão realmente mal ou em caminho da falência.  Portanto, se aumentamos o FC, empresas que estão bem melhoraram e as que estão mal se recuperarão.

Até agora são as empresas que estão indo para a falência as que nos procuram.  E com razão, já que não tem nada a perder.  Recuperar essas empresas é o nosso desafio e conseguimos recuperar 11 empresas como mencionamos.

Sobre melhorar empresas que marcham bem, não temos ainda o primeiro cliente.  Compreendemos que possa pensar que “com time que ganha não se mexe”, mas com todo respeito sabemos que isso não é correto porque se pode demonstrar com resultados de comparar FCs históricos com os de nossa intervenção e confirmar tecnicamente que essa premissa está errada.  Nossos FCs sim superam os históricos. Porém, com o aparecimento do Covid-19, TODAS as empresas passam por momentos em que o faturamento declinará. Mais para ums que para outros. E aqui já não se fala de melhorar senão de recuperar.

Existem pontos negativos como por exemplo, ser o serviço de baixo custo e por tanto suspeito de ineficiência, mas isso se pode descatar confirmando os resultados com os empresários atendidos.  Também pode se ver um pouco estranha a não necessidade de nossa presencia na empresa (mesmo que visitamos a empresa se ela solicitar), mas a tecnologia o permite mostrando que a Diretoria da empresa mantem sua liderança e autonomia ante seus empregados. Porém, agora com o Covid-19 o serviço é oferecido gratuitamente.

E aqui termina nossa história.

Falemos agora um pouco da tecnologia.

Inicialmente nossa empresa avaliava e continua hoje avaliando empresas.  Para isso se precisa construir um FC futuro, em base ao comportamento histórico da empresa, do mercado e governo, e de uma Taxa de Desconto Justa que equivale ao risco da empresa no mercado em que opera. Fazemos essa avaliação de forma muito precisa. Pode-se conferir essa afirmação nos cinco testes que comprovam se uma avaliação é confiável e correta, em Testes de Confiabilidade de uma Avaliação.  No início, o programa em Microsoft Excel tinha um tamanho menor a um Megabite (Mb) para poder calcular o valor de uma empresa.  Hoje atinge a quase 85 Mb em tamanho equivalente dessa época, e portanto muito mais preciso e mais sensível pela quantidade de variáveis controladas.

Em base nessa tecnologia de avaliação (conhecida no mundo inteiro), conseguimos há 3 anos desenvolver uma nova tecnologia particular que aumenta o FC de qualquer empresa, independentemente do tamanho, tipo de produto ou serviço e mercado como anteriormente mencionamos.  Temos uma certeza razoável em acreditar que ela será necessária para todas as empresas do mundo, pelos resultados obtidos nas evidências que apresentamos.  Uma apresentação de 10 minutos em O começo ajudará no esclarecimento.

Para essa tecnologia usamos a Teoria do Completo, parte dela descoberta acidentalmente em 1999 quando se trabalhava na solução de um programa de computador, e que consiste em nomear TODAS as variáveis que compõem o tema tratado para demonstrar sua veracidade.  Não se entrará em detalhes para sua demonstração por não ser ainda homologada pelas entidades competentes. Aqui só daremos um exemplo. Quando se fala sobre sustentabilidade, a ONU tem 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).  Não são 16 nem 18.  Se supõe que todo o referente a sustentabilidade está nesses 17 ODS sem sobrar nem faltar nada.  Com isto podemos entender que se aparecer novos ODSs significa que a ONU não domina por completo o tema da sustentabilidade (nas matemáticas, se o número de variáveis que abarcam por completo um estúdio é "n", se deve demonstrar que se existe uma nova variável "n+1", ela deverá ser o vazio).  No exemplo anterior se deveria demonstrar que é impossível encontrar o ODS #18.

Veja o arquivo Progresso ou Recuperação, o começo, onde em 60 itens enumerados explicamos mais a fundo os detalhes do porquê os FCs sobem ou descem, e de como é apresentada nossa intervenção de trabalho.  Nela se apresentam os sete únicos campos que permitem gerar um aumento constante e muitas vezes irreversível do lucro. Com a aparição da pandemia recomendamos a leitura de Resiliência Empresarial sob o Covid-19.

Sobre medição de lucros escrevemos o artigo As empresas podem ser radiografadas?, explicando o primeiro passo para a melhora de uma empresa, calculando o pouco conhecido índice Lucro por mês, que lho consideramos o mais importante KPI (Indicador-chave de desempenho) do mundo empresarial. Aí você descobrirá se a empresa avançou ou recuou analisando o período de tempo selecionado. Este artigo e o das "Testes de Confiabilidade de uma Avaliação" são os dois artigos mais trascendentais de nosso portal.

_____________________________

Isaac Hayon Sasson é Engenheiro Mecânico, Executive MBA, especializado em Finanças Corporativas, e consultor nas áreas de avaliação de empresas, projetos de engenharia, construção de fábricas e recuperação de empresas.

E-mail : [email protected]   Portal : www.valordeempresa.com


"Ainda não recuperamos a primeira empresa sob efeitos do Covid-19, mas estamos perto"